23 de agosto de 2011

Posted by Samuel Balbino | File under : ,

“Porque sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum” (Romanos 7.18).

Quando nos deparamos com o pecado, nos defrontamos com uma questão que nos foge totalmente em alguns momentos. É inevitável que fiquemos frustrados diante de tantos fracassos dos quais somos protagonistas. Creio que todo homem já chegou diante do espelho e questionou a sua própria força de vontade.
Quando vamos para a Bíblia podemos notar que em todos aqueles que Deus usou poderosamente para desempenhar os seus propósitos, nem eles mesmos estavam isentos de tropeçar e cair. Não há um só ser humano que não tenha sido seduzido e enganado por sua própria vontade terrena. Vemos Davi, o homem segundo o coração de Deus, se envolvendo com um dos casos mais horríveis de adultério. Como alguém que derrubou um gigante, foi ungido pelo Senhor Rei do seu povo, escreveu salmos e cânticos de adoração ao Altíssimo, como poderia ter tramado a morte de alguém só para poder ficar com sua esposa? A resposta é uma: Ele era humano! O que dizer também de Salomão, o homem mais sábio da terra, construiu o templo em Israel. No fim da vida se deixou levar pelas muitas mulheres que possuía, desobedeceu a Deus. Ele também era humano. Talvez a razão de Deus ter permitido todos esses acontecimento, tenha sido justamente para demonstrar que independente de sermos aceitos e usados por ele, ainda temos uma natureza corrupta e pecaminosa. Veja que Paulo disse:
“Porque sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum” (Romanos 7.18).
Quando ele diz “minha carne” está se referindo ao conjunto de desejos e vontades que estão presentes em nossa alma. São aqueles desejos que nos afastam de Deus porque lhe são ofensivos. A única de forma de lutarmos hoje contra essa natureza decaída é através de JESUS. O apóstolo continua:
“Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor. De maneira que eu, de mim mesmo, com a mente, sou escravo da Lei de Deus, mas segundo a carne, da lei do pecado” (Romanos 7.25).
Quer dizer que com a mente entendemos muito bem o que é ou não a vontade de Deus. Infelizmente, devido possuirmos uma natureza decaída, entender não é o suficiente, mas sabemos o que é certo e errado. Somente através da graça que recebemos advinda da morte de JESUS é que podemos sobressair nesse impasse. Como isso acontece? Através da regeneração. João disse:
“Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue ou da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (João 1.12,13).
Somente por meio do Espírito de Cristo que está em nós é que poderemos ter forças para mudar nossos hábitos pecaminosos e nos voltarmos para aquilo que temos plena consciência de que é o certo. É por este motivo que também nos é dito:
“...transformai-vos pela renovação da vossa mente” (Romanos 12.2).
Que mente? A mente de Cristo! A todo instante somos levados pelo Espírito a contemplar a vontade de Deus para nós. Nenhum eleito pode se queixar de ingenuidade, pois o Espírito lhes mostra o que é que o agrada. E se mesmo assim pecamos? Isso revela ainda mais a nossa incapacidade sem Deus, porém é bem verdade que ele provê livramentos para que não incorramos nas consequências da transgressão.
“Pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados” (Hebreus 2.18).

Versículo para memorizar...
“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados” (Efésios 2.1).


Pr. Samuel

0 comentários: