Pular para o conteúdo principal

Breves Comentários e Reflexões (Jeremias 36.3)



“Ouvirão talvez os da casa de Judá todo o mal que eu intento fazer-lhes; para que cada qual se converta do seu mau caminho, a fim de que eu perdoe a sua iniqüidade e o seu pecado” (Jeremias 36.3).

A Bíblia diz que os pensamentos de Deus são pensamentos de paz e não de mal, para nos dá o fim que desejamos (Jr. 29.11). Podemos ver isso claramente nesse texto do profeta Jeremias. Trazendo para a nossa realidade hoje, percebemos que às vezes sofremos por sermos rebeldes contra nosso Deus e nosso Pai. Ora todo pai corrige e disciplina o seu filho. É esse pensamento que deve vir à nossa mente diante de passagens como essa.
Deus não permite o “mal” por prazer de nos ver sofrer, do mesmo modo que um pai não tem prazer de disciplinar seu filho, mas ele sabe que através da disciplina a criança compreende que está fazendo algo errado. Deus havia planejado trazer um grande “mal” sobre Judá e o revelou a eles. Diante da ameaça iminente nós nos voltamos para o Criador, tememos e nos arrependemos. Infelizmente só a ameaça não é suficiente em algumas situações e Deus então tem que cumprir o que prometeu. Mas temos a certeza que o arrependimento imediato aliado com o “abandono” da prática errada que estávamos vivendo é eficaz para fazer com que Deus desista de executar sua justiça sobre nosso pecado, ele exorta “para que cada qual se converta do seu mau caminho, a fim de que eu perdoe a sua iniqüidade e o seu pecado”.
O arrependimento sincero, junto com o retorno a prática correta e obediência, nos livram de experimentar a disciplina e correção de Deus. Se, porém insistimos no erro, então só nos resta passarmos pela “vara” da correção que nosso Pai, que muito nos ama, reserva para quando estamos como que impedidos de enxergar o erro que insistimos em cometer.
Textos para meditar:
“Não retires da criança a disciplina; porque, fustigando-a tu com a vara, nem por isso morrerá. Tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do Sheol” (Provérbios 23.13,14).

“O açoite é para o cavalo, o freio para o jumento, e a vara para as costas dos insensatos” (Provérbios 26.3).

“Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nas minhas ordenanças, se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, então visitarei com vara a sua transgressão, e com açoites a sua iniqüidade.  Mas não lhe retirarei a minha benignidade, nem faltarei com a minha fidelidade” (Salmo 89.30-33).

“Eu repreendo e castigo a todos quantos amo: sê pois zeloso, e arrepende-te” (Apocalipse 3.19).

  
Ir. Samuel

Comentários

A PAZ..AS VEZES NÃO ENTENDEMOS QUANDO ESTAMOS SENDO CORRIGIDO, MAIS QUANDO A CORREÇÃO VEM DO NOSSO DEUS TEMOS QUE TER DISCERNIMENTO PRA ENTENDER QUE É O MELHOR PRA NOSSAS VIDAS POIS O PAI SEMPRE QUER O MELHOR PARA O FILHO, NÃO IMPORTA AS CIRCUNTÂNCIAS DEUS SEMPRE QUER O MELHOR..KÁ
Isabela Silva disse…
Pastor... Apesar de ter visão diferente da sua em diversos aspectos, gosto tanto do seu modo de escrever. Glorifico ao Senhor por a cada dia te capacitar... E, que bom não pensamos da mesma forma, pois, se assim fosse, seria tudo muito chato! rs. Mas, enfim, renunciar do nosso "eu" em prol da vontade de Deus nem sempre é fácil... No entanto, Ele é um Pai tão Zeloso que, além de estar sempre disposto a nos mostrar o caminho a percorrer, nos dá força espiritual suficiente para que não desviemos desse trajeto... Lembrando que, o vigor que proporciona vitória nas batalhas entre espírito e carne, só é alcançado quando buscamos incessantemente a comunhão intensa com o Espírito Santo. Comunhão que apura os nossos sentidos espirituais, tornando nítidas as instruções por Ele dadas.

SHALOM ADONAI!

Isabela.