Pular para o conteúdo principal

O Reino do Pecado



“Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para obedecerdes às suas concupiscências” (Romanos 6.12).

Não existe um inimigo mais temível, mais perigoso e mais nocivo do que o pecado. Alguns cristãos não se dão conta do real problema que isso representa. O pecado é tão sério e tão grave, que foi necessário Deus se corporificar em forma humana para nos dar a garantia de vitória total sobre ele. Não fosse JESUS ter vindo ao mundo para receber nossa punição, nenhum de nós estaria aqui hoje. Mas Cristo não eliminou o pecado como alguns pensam; o pecado só será exterminado quando não houver mais possibilidade alguma de pecarmos. Até lá, ainda teremos que travar guerras diárias contra esse arque inimigo.
Quero ser um pouco mais claro acerca desse assunto, pois sei que é algo que diz respeito a todos. Todos cometemos pecados, desde a pessoas mais “santa” até a mais profana, não existe ninguém com o sangue de Adão que não tenha pecado. Assim sendo, é importante para nós compreendermos bem esta questão.
O pecado se originou no Édem. Foi devido a desobediência de nossos pais Adão e Eva que o pecado entrou no mundo (Romanos 5.12). A partir dali o pecado passou a integrar a nossa natureza (Romanos 7.14), quero dizer com isso que pecar passou a ser algo NATURAL para nós, do mesmo jeito que é NATURAL o leão se alimentar de carne. É impressionante, mas algumas pessoas não têm idéia da gravidade desse problema. Talvez você pergunte: Irmão Samuel, por que o pecado é tão grave assim? Eu lhe respondo, porque ele nos afasta de Deus! Não há condição pior para o homem do que viver longe do seu criador, do seu Deus. O Ed Willsom fez uma linda música onde ele dizia bem assim:
“Muito tempo andei me enganando,
E procurando a glória desse mundo
Escravo do meu corpo,
Escravo das paixões,
Em busca de aventuras
E de emoções.
Perdido ai por essas avenidas
Um homem separado do seu Deus
Ainda bem que ele me deu vida
Não o escolhi
Ele me escolheu!”
Eu ainda não vi uma letra tão bíblica como esta, com certeza Deus inspirou o nosso irmão Ed Willsom com esse louvor. Era realmente assim que nós andávamos antes. O pecado fez um grande estrago no homem, um estrago que ele não podia por si mesmo reparar. Foi então necessária a intervenção de Deus. O apóstolo Paulo diz:
“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais outrora andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos de desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como também os demais” (Efésios 2.1-3).
Veja que Paulo compara o nosso estado de pecado como uma morte. Ora, por que ele fez isso? Porque um morto não tem reação alguma, ele fica inerte, não esboça emoções ou sentimentos, é assim que o pecado nos torna em relação a Deus. Daí o mesmo apóstolo vem e escreve à Igreja de Roma dizendo:
“Como está escrito: Não há justo, nem sequer um. Não há quem entenda; não há quem busque a Deus. Todos se extraviaram; juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só” (Romanos 3.10-12).
Este é o estado em que Deus encontra o homem, morto em delitos e pecados. Somente quando o Senhor lhe concede vida e lhe abre o entendimento é que este homem pode “viver” outra vez.
Agora vem o ponto crucial que me levou a escrever esse artigo. Depois da conversão, como o pecado nos atinge?
O Senhor Jesus veio nos libertar da escravidão do pecado, isto é, daquele estado de morte espiritual que nos encontrávamos, onde não fazíamos outra coisa se não pecar. Todavia o pecado ainda continua na nossa natureza terrena e podemos ainda hoje nos sujeitar a ele, por isso Paulo disse Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para obedecerdes às suas concupiscências”. Toda vez que eu me deixo levar pelos prazeres da minha carne eu estou estabelecendo o reino do pecado em minha vida. Qual a diferença para o nosso estado anterior? A diferença é que, agora em Cristo, nós temos condições de lutar contra essas vontades, nós podemos dizer não ao “senhor pecado” e sim ao Senhor Deus. Paulo diz:
“Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus” (Romanos 6.11).
É importante compreendermos o que o apóstolo está dizendo aqui. Ele está ensinando que em JESUS a situação foi revertida, ou seja, antes estávamos mortos para Deus e vivos para o pecado; agora temos que nos considerar como mortos para o pecado e vivos para Deus. Morrer para o pecado é não ter reação em favor dele, claro que referindo-se ao pecado aqui Paulo fala em termos ilustrativos porque como já disse, só estaremos livres do pecado quando este deixar de existir. Enquanto isso é inegável que o pecado continuará a nos seduzir e cativar, pois ele está presente em nossa natureza corrompida.
Vejam o que mais nos diz o apóstolo da Graça:
“Falo como homem, por causa da fraqueza da vossa carne. Pois assim como apresentastes os vossos membros como servos da impureza e da iniqüidade para iniqüidade, assim apresentai agora os vossos membros como servos da justiça para santificação” (Romanos 6.19).
Deus, em Cristo, nos deu a condição de resistirmos ao pecado e apresentar nosso corpo como um instrumento onde Deus é glorificado. Mas como o próprio Paulo disse, a nossa carne é muito fraca. Isto significa que o mesmo evento do Édem se repete toda vez que cedemos aos apelos do pecado. Então existe a possibilidade do pecado reinar em nossa vida.
Há muitos cristãos que por uma série de fatores estão sendo novamente escravizados pelo pecado. O pecado engana, e quando chega ao nível mais agressivo ele cega o entendimento. Existem casos onde Deus permite que o Cristão continue nessa cegueira e então envia uma disciplina violenta sobre o mesmo. Podemos ver isso no caso de Ananias e Safira. Deus é soberano, e ele julga e disciplina como quer. Eu conheço pessoas que foram severamente disciplinadas por Deus por causa do pecado. Vem sobre nós então este alerta:
Aquele, pois, que pensa estar em pé, cuide para que não caia” (1ª Coríntios 10.12).
Aquele que está obedecendo se cuide, porque se desobedecer vai receber disciplina, podemos colocar nestes termos.
Pr. Samuel

Comentários

É verdade a gravidade do pecado está em nos afastar do Senhor e esse entendimento veio quando nascemos e novo, pois antes não tínhamos esse entendimento. Como o senhor falou muitos cristãos por varios motivos estão sendo novamente escravizados pelo pecado e acredito que um dos maiores é porque nos afastamos do Senhor e esse afastamento foi devido alguma frustração, tristeza, dificuldade, precisamo entender que essas coisas sempre vão existir e o inimigo das nossas almas as usara para que nos afastemos do Senhor e assim o homem fica vulnerável ao pecado, gosto de dizer que se estivermos com a barriga cheia e logo após termos comido alguém no oferecer algo muito apetitoso iremos rejeitar não porque não seja uma comida agradável e apetitosa aos olhos, mas porque estamos cheios, mas se estivermos com muitas fome se nos oferecerem um pedaço de pão seco não pensaremos duas vezes pegamos e comemos , assim é o pecado longe do Senhora nos tornamos alvos faceis para o lixo do pecado e seremos vencidos por ele. Que possamos estar perto daquele que conhecer bem de perto os danos que o pecado tem na vida de uma pessoa.

Pr. Samuel, obrigada por partilhar esse texto, lhe desejo uma abençoada semana.
Samuel Balbino disse…
Obrigado pelo comentário Irismar. Eu tenho sido inspirado por Deus esses dias para falar acerca do pecado e como ele nos ameaça. Tenho visto quão pouco este tema é tratado nos púlpuitos e o povo de Deus precisa estar muito atento a ele.
Amém que Deus possa ministrar mais e mais ao seu coração para abençoar vidas,, pois alguns temas já não são pregado como a salvação em Cristo,o pecado, arrependimento e a volta de Cristo.