21 de novembro de 2011

Posted by Samuel Balbino | File under : , , ,

Esta é uma resposta a um comentário feito por uma irmã em um tópico iniciado por mim no forum da União de Blogueiros Evangélicos (UBE). Veja no link: Clike Aqui.

 . . .

Amado irmão, vejo que vc desconhece a vontade de Deus para sua vida. Postar que o dízimo não é bíblico parte do desconhecimento da palavra de Deus e do seu poder que em nós opera.

Irmã Lúcia, fiquei meio que consternado diante de sua falta de entendimento diante dos fatos bíblicos. O fato de eu não concordar com a obrigatoriedade do dízimo hoje não significa que eu desconheça a vontade de Deus para minha vida, se bem que nenhum de nós conhece 100% de tudo o que o Senhor reservou para nós, salvo o que já foi revelado nas Escrituras, quanto a isto posso afirmar com absoluta certeza que sei muito bem qual é a vontade de Deus. Agora, se sua colocação condiciona um cristão a só poder conhecer o que Deus tem para ele se esse cristão for um dizimista, me permita, mas quero ver as bases bíblicas para tal asseveração.

Acredito que você não tenha lido o artigo que eu escrevi e postei nesse tópico, peço encarecidamente que o leia, pois não afirmo em momento algum que o dízimo não é bíblico, para isso seria necessário que nem houvesse a palavra dízimo na Bíblia e eu seria um grande tolo ou herege caso tivesse escrito isso. O dízimo é bíblico, isto é, está na Bíblia, mas nem tudo o que está na Bíblia deve ser praticado hoje, ai é a questão de discernir a dispensação na qual estamos hoje, a graça de Deus, e o contexto no qual certas prescrições foram dadas na velha aliança.

E sobre o poder de Deus que opera em nós (Efésios 3.20) nada vemos  que relacione isso ao dízimo, que fique bem claro.

Saiba que quem promete as bênçãos não são os pastores ou lideres religiosos e sim o próprio Deus que cumpre todas as suas promessas, ainda que muitos a tenham por tardia.

 A que promessas você está se referindo? As de Malaquias 3.10? Se for irmã, peço que leia o contexto de tais promessas e veja que elas também são acompanhadas de maldição para quem não cumpre a ORDENANÇA do dízimo, porque naquele contexto era um mandamento e não uma “sugestão”. Ora Jesus encerrou  toda a maldição que era advinda da Lei, fazendo-se ele mesmo maldição em nosso lugar (Gálatas 3.13), o problema é que você não está discernindo isso amada, está sendo ensinada de forma errada acerca das Escrituras. Hoje nós já somos abençoados (Efésios 1.3) e todas as coisas que conduzem a vida e a piedade já nos foram doadas pelo conhecimento (2ª Pedro 1.3). Não precisamos hoje dar dízimos para recebermos bênçãos, isto é zombar da Graça de Deus, é querer fazer barganha com ele.

Como manter-se a casa de Deus? A bíblia fala de dízimos e ofertas. Certamente, as ofertas são voluntárias e estipuladas em seu coração, mas não o dízimo.

Quem mantém a casa de Deus é ele próprio, pois nós somos essa casa (Hebreus 3.6), a casa de Deus não é mais um prédio de 4 paredes, isso era na Antiga Aliança, o Senhor  fez questão até mesmo de destruir o antigo templo judeu para nos mostrar hoje que ele não habita em templos de pedra (Atos 17.24), mas em templos de carne, isto é, nós o seu povo (2ª Coríntios 6.16). O que precisa ser sustentado hoje é a pregação do evangelho e a ajuda aos necessitados e isso através das contribuições voluntárias. Como você bem disse, ofertas são voluntárias, mas dízimo não; concordo plenamente, e como não vemos nenhuma prescrição apostólica para dízimos fica bastante claro que ele não era exigido da Igreja e nem deve ser hoje.


Em 2ª Tm 3:16 está escrito que toda escritura é dada por Deus. Isto nos mostra que não podemos escolher apenas os trechos que nos convém.


O que você escreveu nada tem a ver com essa questão, pois não estou escolhendo prescrições para obedecer, a questão aqui é discernimento das alianças, o que a irmã não está fazendo infelizmente. Se você, usando esse argumento, pretende obedecer à prescrição do dízimo lamento te informar, mas você está fazendo errado, porque o dízimo referindo na Lei era alimentos não  dinheiro e era pra ser comido no templo pelos próprios dizimistas e repartido com os pobres e com os levitas, será que você tem feito assim e os irmãos em sua denominação? Creio que não. Dessa forma não sou eu que estou escolhendo o que quero obedecer, irmã. Se você quer seguir esse mandamento faça exatamente como está prescrito.  Leia o artigo completo que escrevi e confira as citações bíblicas, todas dentro do seu contexto, e peça ao Senhor que lhe dê discernimento espiritual.

Vale uma ultima observação. A palavra de DEUS não é uma prisão na qual você está preso sem poder de escolha. Pelo contrário, ela te libera para fazer e escolher fazer o que é certo. A bíblia não é uma prisão, mas é como uma cerca colocada antes de um precipício, que te protege da queda inevitável. Deus nunca nos "obrigou" a fazer qualquer coisa. Pelo contrário: desde o Éden, ele nos orienta e deixa a decisão por nossa conta. Saiba que em 1 Co 6:12 está escrito que podemos fazer todas as coisas mas nem todas são convenientes que sejam feitas.


Eu acho que entendi o que você quis dizer irmã, mas o dízimo mosaico não era uma questão de escolha (faço só se der vontade). Todas as 613 ordenanças da Lei eram pra ser cumpridas à risca, incluindo o dízimo. Caso alguém fosse rebelde desobedecendo ao mandamento, viria a punição, logo é algo obrigatório onde quem desobedece vai arcar com as consequências da desobediência, que no caso era a maldição – da qual hoje estamos libertos graças a Deus (Gálatas 3.13).

 Defender o não pagamento do dízimo é um equívoco da sua parte. É não crer que o Deus que é dono do ouro e da prata é capaz de nos abençoar com toda sorte de bênçãos.


A única pessoa equivocada aqui é você irmã, mas não te culpo por isso, culpo os seus “líderes” que te ensinaram errado, mas agora Deus está te dando o ensinamento correto através dessas palavras, e peço que seja humilde para meditá-las e reconhecê-las. Jesus não prescreveu dízimos a sua Igreja e muito menos os apóstolos, por isso até esse termo “pagamento” está errado, pois pagar significa que há uma dívida, e toda a nossa dívida já foi paga por Cristo na Cruz (Colossenses 2.14). Eu não posso pagar nada a Deus, nem poderia, pois sou incapaz, por isso Veio Jesus e já pagou por mim.

Saiba que no dia em que você liberar o seu coração para dizimar verdadeiramente você estará convertido a Deus.

Desculpe irmã, mas  a sua afirmação é preocupante além de ser profundamente herética. Quer dizer que o modo de sabermos se uma pessoa é ou não convertida a Jesus é sabendo se ela dizima ou não. Quer dizer que não importa que ela tenha nascido de novo, que tenha recebido o Espírito Santo, e que por isso viva constantemente buscando santificação se separando do pecado, amando e servindo a Deus em novidade de Vida, se ela não dizima tudo isso não serve de nada! Irmã, oro pra que Deus te LIBERTE dessa fortaleza que está em sua mente.

Porque quando o nosso bolso está liberado Deus ABRE as janelas do céu com toda sorte de bênçãos. Você já abriu uma janela por fora? Porta nós podemos abrir por dentro e por fora, mas janela somente por dentro. Abra seu coração para Deus e deixe que Deus abra as janelas do céu para você. A paz do Senhor para ti.

Irmã sua afirmação é simplesmente ridícula! Suas palavras lembram as do vendedor de indulgências do século XVI Johan Tetzel, que dizia: “Quando uma moeda cai em minha sacola uma alma sai do purgatório e entra no paraíso!” Guardada as devidas proporções você afirma que quando damos dinheiro, somos abençoados, é praticamente a mesma coisa que a Igreja Católica dizia no período medieval e que levou Lutero a se insurgir contra todo aquele sistema maligno que imperava. Hoje esse sistema maligno está de volta em movimentos como o que você deve fazer parte, onde os líderes estão amedrontando as pobres ovelhas de Jesus colocando jugos e imposições que beneficiam unicamente eles próprios.

Meu coração já foi aberto, não por mim, mas pelo próprio Deus, e as janelas do céu já me foram escancaradas em Cristo, não pelo que o dou financeiramente, mas pela exclusiva graça de Deus.

Encerro meu comentário dizendo que não existe prescrição de dízimos para a Igreja hoje. O que pode ser feito é um propósito pessoal e espontâneo de cada um. Isto se baseia nos atos de Abraão e Jacó que dizimaram por gratidão e não por obrigação (ao contrário da Lei que obriga). Ninguém é obrigado a contribuir com valor algum na Nova dispensação, isso deve ser feito pela liberalidade de cada pessoa seja com 10%, 15%, 20%, respeitando a proporcionalidade dos seus rendimentos. Se você ganha R$ 1.000,00 e dá R$ 10,00, aí é desonestidade.

Acompanhe meu blog irmã, você e muitos aqui estão precisando conhecer o evangelho puro e simples.


Pb. Samuel Balbino


2 comentários:

Juliana Viana disse...

Paz
ficou otima a nova cara do blog!!
Deus abençoe e continue inspirando!!
Ah sempre bom falar sobre dizimos, um assunto muitas vezes intocado.

Anônimo disse...

A paz amado Pr. Samuel; como eh bom saber que não estamos sozinhos na luta contra os imperios financeiros evangelicos que se ergueram neste pais, a custa de muitos almas. Tenho estudado a fundo o tema 'dizimos' a varios anos e, cada vez mais, me surpreendo em como fomos enganados, como os lideres se aproveitaram de nos para se autopromoverem e sustentar seus intentos gananciosos. Concordo plenamente com todas as suas palavras: dizimo eh biblico, mas nao eh cristão; ele nao faz parte do pacto da graça.
Chegou a hora de começarmos de novo, voltando-nos para a scriptura, para aprendermos dela o que se fez para a nossa salvação. Caso os lideres das igrejas não aceitem nossa posição e nos chamem de hereges, de ladões, e outros adjetivos pejorativos possiveis, o remedio eh fundar nova reforma nas nossas igrejas, se for possivel, ou em comunidades locais desviculadas de igrejas, como eh uma tendencia na atualidade.

Que O Espirito do Senhor nos ilumine nesta luta.

Presb. Roberto Aquino
robertoeconomista@hotmail.com