Pular para o conteúdo principal

Aprenda a Valorizar!


Muitas vezes reclamamos com Deus por não nos dar certas coisas que lhe pedimos. Outras vezes nada pedimos, porém Deus prontamente nos dá, e quando recebemos notamos que era justamente aquilo que precisávamos, isto é, ele mesmo anteviu nossa necessidade e nos providenciou. O problema é que não raramente somos tão ingratos e egoístas que não damos valor as boas coisas que recebemos das mãos do Eterno.

Há tantas coisas que ao nosso redor pelas quais devemos ser gratos, coisas simples do dia-a-dia, por exemplo, cuja ausência por si só já seriam o suficiente para tornar a vida muito mais difícil. Pense como seria se uma bela manhã quando você acordasse descobrisse que havia perdido o sentido da visão. Certamente qualquer um de nós seria tomado por uma profunda tristeza. Não poder mais ver o brilho do sol, a natureza, as pessoas que amamos... Imagine que de repente você perde a audição e se torna incapaz de ouvir aquela música que tanto gosta, ou a voz de algum ente querido, seu conjugue ou filhos. Será que dá para perceber o quanto estas duas coisas aparentemente normais e comuns fazem muita diferença? Mas será que nos lembramos de agradecer a Deus todos os dias por podermos ver e ouvir? Pelo simples fato de respirar? Por poder ficar de pé? São coisas muitos simples, e que talvez alguns até considerem insignificantes ou que não vale a pena extrair uma lição delas. Tremendo equívoco esse! Tudo que existe é válido para aprendermos alguma coisa. Nada está aqui por acaso, mas Deus, em sua infinita sabedoria, fez todas as coisas para nelas revelar seus propósitos.

Quando eu falei dos sentidos da visão e audição eu quis citar dois exemplos de coisas das quais todos nós possuímos e que nos fariam muita falta em caso da perda de alguns. Porém a Cristo nos cita outros presentes que recebemos de Deus e dos quais por vezes nem nos lembramos. Certa vez Jesus ensinou que:

"Ele [O Pai] faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos" (Mateus 5.45). 

Ora isso significa que independente do caráter de alguns, Deus presenteia a todos igualmente com a mesma dádiva. Mesmo sobre aqueles que nem ao menos acreditam que ele exista. Contudo, o Eterno não restringe essas coisas que são vitais à sobrevivência humana em vingança àqueles que não temem o seu nome. Ele realmente não espera nenhuma gratidão da parte destes. Mas e nós? Nós que cremos e o servimos? Não deveríamos todos os dias louvá-lo por todos esses presentes que graciosamente dele recebemos? Quando digo graciosamente quero dizer que não merecemos nenhum deles. Se existe algum ser humano que se julga digno do sol e da chuva sobre sua cabeça, realmente nada entende tal pessoa. Não somos merecedores de coisa alguma. Aliás, somos sim, somos todos dignos da ira e da indignação de Deus. Porém ele escolheu nos tratar com misericórdia. E como retribuímos isso? Dedicando cada minuto de nosso tempo unicamente aos nossos afazeres! Até mesmo nosso tempo livre já tem roteiro. E Deus como fica? Muitos de nós está precisando ouvir aquela frase EIS QUE ESTOU A PORTA E BATO! Isso significa que não estamos ceando com o Senhor, não estamos vivendo em comunhão absoluta com ele. Se abrirmos a porta, então ele entrará e irá cear conosco. 

Toda vez que nós colocamos qualquer coisa na frente de nossas responsabilidades com o Divino, não estamos valorizando a graça com a qual ele nos tem presenteado! Fico triste ao ver pessoas desprezando o ato de congregar, de ler a Bíblia, de orar, de buscar estar em comunhão com Deus. Quantas coisas ele nos tem dado e por nossa negligência acabamos perdendo e depois queremos chorar o leite derramado...  Que a nossa oração hoje possa ser: Senhor, ajuda-me a abrir a porta, a valorizar o que tenho recebido de Ti. Me ensine a ser grato e louvar o teu nome por todas as tuas bênçãos e assim estarei reconhecendo o quanto és Senhor sobre minha vida! Amém!



Ir. Samuel


Comentários

Wanderley Dantas disse…
Pastor, ontem foi o DIP (Dia da Igreja Perseguida) e muito da sua reflexão vem ao encontro do que fiquei meditando depois de um dia orando com os irmãos na Igreja sobre a Igreja Perseguida. Precisamos valorizar mais a liberdade que ainda temos para pregar, valorizar o nosso lugar de reunião, de congregação, a Bíblia, a pregação e o evangelismo que ainda nos deixam fazer.

Abraços!
Samuel Balbino disse…
Graça e paz querido irmão.

Sua observação foi muito feliz. Muitos de nossos irmãos em Cristo estão privados de sua liberdade de culto, e isso os incentiva a ser mais fiéis ao Senhor. Enquanto nós que dispomos de total liberdade ainda negligenciamos ou simplesmente não valorizamos essa bênção. Oremos para que Deus nos ensine e nos mude essa atitude. Obrigado por sua visita.

Soli Deo Gloria!