10 de janeiro de 2012



A questão da salvação infantil deve ser discernida com muita cautela e sinceridade. Não podemos cair no erro de diminuir ou adaptar o julgamento de Deus sobre a culpa humana, muito menos nos baseando no sentimentalismo. Independentemente do que sentimos em relação à justiça do Eterno frente à nossa culpa, ela ainda continuará lá e dignamente merecedora de punição.

OS ELEITOS E SUA TEÓRICA SALVAÇÃO NA INFÂNCIA.


Certa vez um irmão argumentou comigo que se o calvinismo estivesse correto então nós poderíamos sair por aí pecado, afinal já nascemos salvos mesmo. Isto revela que certas pessoas quando se atrevem a criticar a Sã Doutrina nem ao menos procuram conhecê-la, para só então tentar criar algum argumento sólido (ainda que isso seja impossível, pois nada podemos contra a verdade). Eu retruquei a esse irmão, como já fiz a vários outros que utilizaram do mesmo argumento, que ele estava bastante equivocado quanto à fé reformada. Ser um eleito não significa nascer salvo; pelo contrário, a eleição contempla pessoas perdidas, mas que foram predestinadas a alcançarem a salvação (Efésios 1.4,5 / 1ª Tess. 5.9 / 2ª Tess. 2.13).

Ninguém nasce salvo, nem mesmo aqueles que foram eleitos desde a eternidade. No entanto, há os que tentam argumentar que se por acaso um eleito vier a falecer antes de chegar à idade adulta, ele estará salvo. Eu fico admirado em como alguns dos meus colegas ainda admitem que possa existir tal possibilidade. E para embananar ainda mais o problema ficam criando teorias baseadas em suposições que revelam a triste verdade de que ainda estão, em algum grau, contaminados pela praga da ideologia humanista.

A Bíblia é muito clara quando afirma que a salvação é para aqueles que crêem (João 3.14-16), para aqueles que foram chamados (Atos 2.39/ Romanos 8.28-30 / Hebreus 9.15), para aqueles que recebem a Fé (Atos 26.18 / Efésios 2.8). Um recém-nascido não tem condição alguma de participar desse processo. Mas se uma criança não pode participar, como ela poderá ser salva? A resposta é: Quando ela atingir uma idade (não necessariamente a adulta) suficiente onde seja capaz de discernir a verdade do evangelho e então responder a ele. Então alguns dizem: Mas e se ela sendo uma eleita morrer antes? Esta possibilidade simplesmente não existe! Nenhum eleito morre antes de ouvir e crer no evangelho. O próprio Cristo disse:

“As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem” (João 10.27).

Pouco antes ele mesmo havia destacado a importância dos eleitos o ouvirem:

“Tenho outras ovelhas que não são deste aprisco. É necessário que eu as conduza também. Elas ouvirão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor” (João 10.16).

Em sua oração momentos antes de ser preso, Cristo orou unicamente pelos que haveriam de crer nele:

“Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles” (João 17.20).

O ouvir e crer é fundamental na salvação. De modo que todo eleito um dia passará por este processo. Por que parece mais difícil acreditar que Deus em sua divina providencia guarde os seus desde a infância destes preservando-lhes até que cheguem em idade onde lhes seja possível compreender que necessitam dele? Isto está em perfeita em harmonia com que o apóstolo S. Pedro diz quando escreve:

“O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2ª Pedro 3.9).


Evidentemente que o apóstolo está se dirigindo aos eleitos, aos chamados e não a toda humanidade. Ainda assim, Até onde eu sei bebês não podem se arrepender de coisa alguma. Logo, somente quando atingirem a idade certa é que experimentarão a salvação.

Havia prometido responder alguns versículos hoje, mas para não deixar o post extenso demais, comprometo-me em cumprir a minha promessa no próximo.

Ecclesia reformata, et semper reformanda!

3 comentários:

Anselmo disse...

Meu irmão, graça e paz no Senhor Jesus.
Acrecito que somos infinitamente limitados nos nossos raciocínios quando procuramos interpretar a Bíblia, a verdadeira Palavra de Deus, através de pressupostos de homens, mesmo que os tais sejam reconhecidos internacionalmente como “homens de Deus”, no caso, o próprio Calvino, (sou calvinista). Creio ser de grande responsabilidade afirmar que “Nenhum eleito morre antes de ouvir e crer no evangelho”. Em Marcos 10.13-16, vemos o Senhor Jesus se expressar da seguinte forma: “Então lhe traziam algumas crianças para que as tocasse; mas os discípulos o repreenderam. Jesus, porém, vendo isto, indignou-se e disse-lhes: Deixai vir a mim as crianças, e não as impeçais, porque de tais é o reino de Deus. Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como criança, de maneira nenhuma entrará nele. E, tomando-as nos seus braços, as abençoou, pondo as mãos sobre elas”.
Não existe aqui, no meu entender, nenhum texto fora de contexto. Foi isso mesmo que O Senhor Jesus falou. Veja: “Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como criança, de maneira nenhuma entrará nele”.

Vemos aqui, irmão, que para receber o reino de Deus é necessário estar morto fisicamente ou ser arrebatado. Ou seja, Jesus não fala que a criança, para alcançar o reino de Deus, tem que crescer e conhece-Lo como Senhor e Salvador, pois assim deixará de ser criança.

Nem tudo Deus Se deixou revelar. Só uma coisa sei: da mesma forma que Ele não nos deixou explícito, entre outras coisas, como é possível um único Deus coexistir em três pessoas distintas e, de forma soberana, fazer com que nós, seus escolhidos, acreditemos piamente na existência coerente de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, poderá, com certeza salvar, pela Sua infinita graça e misericórdia, conceder a salvação a mais preciosa herança que Ele próprio nos concedeu: nossas crianças.

Obs. Sou calvinista reformado, não sou humanista.

Samuel Balbino disse...

Graça e paz Anselmo.

Sem dúvidas somos profundamente limitados em relação a Deus. Todavia podemos afirmar pleno conhecimento das coisas que ele nos tem revelado tão claramente em sua Palavra. Não gosto de pressupostos, quando afirmo que todos os eleitos chegarão ao arrependimento e conhecerão a verdade, ora é isso uma premissa bíblica. Aprouve a Deus instituir o meio único pelo qual o seus escolhidos serão alcançados e chegarão a fé, e este meio único é obvio que é o evangelho. Acerca do texto de Marcos 10.13-16 estarei respondendo no próximo post. Muito obrigado pelo comentário, e continue acompanhando a série.

Em Cristo!

Anselmo disse...

Graça e paz, irmão Samuel Balbino.

Peço a Deus, em oração, que o Seu Santo Espírito o encha de sabedoria e discernimento, irmão Samuel, a fim de que nós, seguidores desse blog, aprendamos mais e mais a respeito dos atributos de Deus, conferindo cada exposição com as Sagradas Escrituras, tal quais nossos irmãos bereianos, conforme Atos dos Apóstolos 17.11. Conhecer a Deus em Jesus Cristo, para obedecê-Lo, é o único grande e magnífico objetivo da minha vida. Que Deus esvazie por completo o seu interior, enchendo-o em seguida da plenitude do Espírito de Jesus Cristo, a fim de que o irmão possa expor a Sua Santa Palavra com humildade, porém com delegada autoridade.