7 de janeiro de 2012

Posted by Samuel Balbino | File under : , ,



Estou expondo ao longo dessa série de posts razões pelas quais não podemos concordar com o ensino de que as crianças já nascem salvas. Alguém disse que isso não é relevante, que temos que nos preocupar mais em pregarmos o evangelho.  Ora este pensamento não é saudável. Não podemos dissociar a questão em debate do evangelho. Estamos falando de salvação e falar de salvação é falar sobre o evangelho. Aqui está em pauta a predestinação e eleição, bem como a soberania de Deus. Portanto, não é um debate inútil ou irrelevante. Todos precisamos ter perfeita consciência da condição dos infantes e de como isso está perfeitamente relacionado com o evangelho que é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê! (Romanos 1.16).
 
As crianças nascem salvas – Dizem alguns. Podemos facilmente levantar uma objeção contra isso questionando mediante o que elas foram salvas? O apóstolo S. Paulo nos diz:
 
“Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Efésios 2.8).
 
A salvação é concretizada mediante a concessão do dom da Fé, é o que Paulo está afirmando. O homem ao ser exposto às verdades do evangelho recebe então o elemento necessário para poder acreditar nelas, isto vem de Deus (monergismo). Ao crer, e só acontece por antes ter recebido capacidade para tanto, está então consumado o processo de salvação onde o eleito agora recebe o selo do espírito que é o comprovante ou a garantia de que ele foi feito uma nova criatura cujo destino é a glória (Efésios 1.13,14). Nada disso é possível a uma criança que parte desse mundo em tenra idade. Mas o que podemos dizer? Que isto a favorece de modo que já parte com sua salvação assegurada? Obviamente que não. Todo esse processo descrito até agora está relacionado à Fé, esta que é a única condição para se poder crer. Além da Fé estamos também falando em exposição do evangelho. Não vejo hoje pregadores expondo o evangelho para bebês de, por exemplo, seis meses de vida, e ainda que isso aconteça, temos na Bíblia garantias de que Deus enviaria o dom da Fé para uma criança que nem ao menos sabe se expressar uma vez que a confissão é requisitada? Conferir Romanos 10.8-10.
 
Acredito que alguém agora deve se utilizar do que acabei de escrever para usar contra meu próprio argumento. A saber: Se Deus não enviaria o dom da fé para uma criança crer pelo fato dela não ser capaz ainda de se expressar, como, pois, a condenaria sem levar em consideração este mesmo motivo (capacidade cognitiva)? E a resposta vem a seguir: Esta é a razão pela qual precisamente qualquer criança que morre antes de chegar a uma idade na qual ela tenha condições suficientes de entender e confessar a Jesus, está perdida! A impossibilidade de professar a fé em Cristo em nada altera a condição espiritual de uma criança ou a melhora de forma a ser merecedora da salvação, ela continua tão caída e distante de Deus que o seu único destino possível é a condenação eterna.

Ecclesia reformata, et semper reformanda!

5 comentários:

Erlon Andrade disse...

Eu não concordo com suas idéias!

Edvaldo Abreu disse...

concordo com a maioria de seus pontos de vista e idéias, mas neste caso não concordo. Entendo que o "vinde a mim as criancinhas" dito pelo Mestre e que "Deus não levou em consideração o tempo da ignorância" dito por Lucas, são suficientes para um entendimento contrário ao exposto. Por analogia podemos entender ainda que a quem muito é dado, muito será cobrado, proporcionalmente o contrário também deve ser considerado. No mais, ao analisar o caráter e os atributos de Deus, não creio que permitirá que um bebê sem conhecimento das maldades praticadas pelos maiores, parta para a perdição eterna. Contudo, respeito muito sua opinião, pois como já disse concordo quase que em 100% com os seus posts e te admiro muito. Um abraço, no amor de Cristo! Edvaldo.

Samuel Balbino disse...

Irmão Erlon, discordar de mim é um direito que você tem. Só peço que continue acompanhando a série e examinando todos os argumentos que serão propostos e seja ao final sincero com sua consciência.


Em Cristo.

Samuel Balbino disse...

Irmão Edvaldo,

Muito obrigado por sua admiração e fico feliz em saber que temos mais pontos de concordância que discordância. Estarei respondendo de modo mais eficiente as questões que você colocou em seu comentário. Oremos para que Deus nos conceda cada dia mais a sua sabedoria e iluminação.

Em Cristo.

Joaquim José Tinoco de Oliveira disse...

ESTOU AGUARDANNDO VC CONCLUIR PARA RESPONDER em sua pg. ube